Verão de oportunidades: Macaé tem aulas gratuitas de surf e acessibilidade para cadeirantes nas praias

Além das aulas de Surf, também está rolando as modalidades Jiu-Jitsu e Ginástica, no Posto 2

Macaé – O verão é uma das estações mais aguardadas do ano em que muitos resolvem descansar e aproveitar para curtir as férias. Em Macaé, o clima embala as riquezas naturais e belas praias, que faz a cidade ser carinhosamente apelidada de “Princesinha do Atlântico”. Para que a estação seja ainda mais feliz e democrática, o município retomou com as aulas de surf gratuitas para jovens e com o projeto que possibilita aos cadeirantes curtirem a maresia, com direito a mergulhos nas ondas do mar.

A Escola de Surf está com inscrições abertas para formação de novas turmas. Podem se inscrever jovens entre 10 e 17 anos, das 9h às 16h, no Posto 2 da Praia dos Cavaleiros. O aluno só precisa saber nadar. O interessado deve estar acompanhado do responsável e apresentar cópia da identidade, comprovante de residência, comprovante de matrícula escolar e duas fotos 3/4.

A avaliação física será feita pela equipe da Secretaria de Esportes. Além dos ensinamentos no mar, sobre a prancha, os alunos recebem noções de ecologia, sobre os cuidados com a restinga, proteção do meio ambiente e coleta de lixo na praia.

Já o projeto Praia para Todos, é uma parceria da Secretaria Adjunta de Defesa Civil e o Centro de Vida Integrada (CVI), que possibilita que as pessoas com mobilidade reduzida ou deficientes físicos possam desfrutar do banho de mar. O atendimento acontece sempre das 9h às 14h, todos os domingos, até o final do mês de fevereiro com todos os protocolos sanitários vigentes.

A tenda da equipe realizadora está montada próximo ao posto um, da praia dos Cavaleiros, e para participar não é necessária inscrição prévia. O banho é realizado com uma cadeira anfíbia, que oferece conforto e segurança para o banhista.

“Tudo nasceu de um sonho de transformar as praias em um local realmente democrático e inclusivo, onde as pessoas com deficiência pudessem frequentar com autonomia e dignidade”, comentou o fundador do CVI Macaé, Hildemar Miranda.

Para o Macaé Convention & Visitors Bureau, iniciativas como essas fomentam a inclusão social em todos os seus contextos em espaços, que mesmo sendo públicos, podem estar distantes de muitas pessoas.

“Cada um tem a sua realidade, física, mental, econômica etc… Acredito que, jovens acolhidos pelo esporte, numa aula gratuita de surf, por exemplo, pode se tornar um grande atleta no futuro e representar nosso município”, comentou a turismóloga do Macaé C&VB, Fernanda Costa.

Guilherme Abreu, presidente da Federação de Conventions & Visitors Bureaux do Rio de Janeiro (FC&VB-RJ), ressaltou o quanto é importante e necessário incluir PCDs em atividades de lazer, na estação mais divertida do ano. “A sensibilidade de sermos uma cidade que tem um olhar atento, não só às atividades econômicas e turísticas, mas principalmente às pessoas com mobilidade reduzida, é mais um ponto positivo em nosso verão de oportunidades. 

Comente!

*